O caminho do sucesso não é feito de atalhos.

O caminho do sucesso não é feito de atalhos.

Do ponto de vista da competitividade de mercado, vivemos na era de desvendar quem realmente são nossos consumidores. O que já sabemos é que esses estão mais exigentes do que nunca, principalmente quando o assunto é escolher em qual marca irão investir seu suado dinheiro.

O atalho para se diferenciar da concorrência não existe. Profissionais, departamentos e agências de marketing do mundo todo vivem um dilema que muitos donos e presidentes de empresas ainda precisam compreender melhor: o desafio agora, além de reunir o máximo de informação de mercado e analisar os dados, é delimitar  o próprio ponto de vista da empresa dentro dos cenários encontrados. Isso tudo só é realizável definindo a arquitetura de  nossa marca e entendendo profundamente nosso consumidor.

E já me deixem avisar, entender sua empresa não é criar frases de missão e visão que apenas ficam estampadas na parede da recepção. E entender seu consumidor não é descobrir de qual "geração" eles são, porque isso não quer dizer nada em termos de personalidade e comportamento de consumo. Eu posso provar:

Barack Obama e Donald Trump são da geração Baby Boomers

Xuxa e Marcelo D2 são da Geração X
Mark Zukeberg e Justin Bieber são Millenials

Greta Thunberg e Larissa Manuela são Geração Z

Se queremos crescer, vamos combinar que, nos dias de hoje, não dá mais para investir em marcas genéricas que tentam vender para todo mundo. Precisamos definir de forma muito bem detalhada qual é nosso público. Está mais do que provado que as marcas que mais crescem no mundo são as de nicho, marcas segmentadas que comunicam um propósito claro, que se conectam com seus consumidores.

Costumo reparar que as publicações que mais atraem leitores são aquelas que trazem alguma expectativa de receita de sucesso, mas que também generalizam demais os infinitos perfis de público:

-    As 7 tendências que dominarão o mercado de beleza em 2021

-      Conheça o perfil do consumidor de beleza e bem-estar

-       Os 5 produtos que irão bombar suas vendas em 2020

Esses títulos são reais, de matérias que eu mesmo li. O que me incomoda um pouco é saber que, apesar das ideias contidas nos textos serem bem intencionadas, pela minha experiência não existe uma lista ou fórmula que funcione para todas as empresas. Nem todas são iguais, muito menos seus consumidores.

As tendências são muitas: Diversidade, Clean Beauty, Educar para converter, Saúde emocional, Bem estar, Confiança “Testado e comprovado”, Menos é mais, Skin fasting, Beleza Natural etc. As que têm nomes bonitos, então, dão ainda mais vontade de fazer. O que falta descobrir é o que serve e o que não serve para nossa marca.

Sabe o porquê de tantas tendências? Pois temos cada vez mais tipos de consumidores, e muito mais ainda está por vir, novos públicos revelando-se, sem medo de ser quem são. Diversidade! Não adianta encurtar o caminho.

Do ponto de vista da competitividade de mercado, vivemos na era de desvendar quem realmente são nossos consumidores. O que já sabemos é que esses estão mais exigentes do que nunca, principalmente quando o assunto é escolher em qual marca irão investir seu suado dinheiro.

Claro, existe sempre a velha solução de tentar vender sempre mais barato que seu concorrente. Como você tem se saído com essa estratégia?

“A medida que os consumidores mudam para adotar novos comportamentos e hábitos, eles se apegam às marcas em que confiam há muito tempo para passar com elas pela crise”.

Meio & Mensagem

Por isso, se você quer se diferenciar e crescer, defina-se como marca e descubra quem realmente são seus consumidores. Não existem atalhos, mas conhecemos o caminho que marcas de sucesso percorreram:

Você precisa começar entendendo sua essência. Descubra a alma da sua marca. Pergunte-se para quê sua empresa existe. O que te faz levantar da cama todos os dias? Quais são os valores dos quais não abre mão?

Encontre um grupo de pessoas com comportamentos semelhantes entre si, e que compartilhem dos seus valores de marca e para o qual seu produto é essencial. Essa será sua tribo.

Entregue exatamente o que eles buscam. Não procure clientes para seu produto,

crie produtos para seus clientes. Sua proposta de valor deve ser pensada para esse grupo de pessoas. E por fim, conte uma história que os encante. A história que você vai contar sobre sua marca e seu produto deve ressoar em seus consumidores para que eles conectem-se com sua proposta.

O best-seller especialista em marketing Seth Godin já disse, “Ninguém quer o seu produto. Eles querem o jeito que você os fará se sentir”.

Fundador da Teha e Diretor da Byefive

Com formação em Administração de Empresas , Publicidade e Propaganda pela FAAP, especialista em Design Thinking

MBA em Gestão Financeira,  Controladoria e Auditoria pela FGV.

E-mail: alexandre@teha.com

}

Comentários ()